PROJETO CULTURAL ABERTURA

  EM PROL DA ÉTICA PARA UM MUNDO MELHOR
BEM-VINDO(A) E OBRIGADO PELA VISITA !
 
 
Filmografia e
Fototeca
 
 
FILMOGRAFIA E FOTOTECA
(Sinopses)
 

A materialização das idéias em documentários filmados sugerindo linhas de pensamento e de conduta constituem-se em veículo ideal de comunicação, correspondendo assim às expectativas e à conveniência que os tempos atuais exigem. Uma ampla variedade de interesses humanos: espirituais, sociais e culturais, em nível individual e coletivo, no campo consciencial e comportamental são englobados pelo projeto, num conjunto de sete filmes que melhor o caracterizam. Assim, a filosofia do projeto encontra-se no filme "Projeto Abertura". A Arte e o ideal do Belo são ressaltados pelo realismo em sintonia com os temas sociais, sobrepostos às condições reais de vida em que os excluídos vivem no filme "A Ponta do Iceberg". O sofrimento humano, configurado pelos moradores das ruas das grandes cidades, bem como, esporádicos gestos de solidariedade, por parte de poucos, e ainda, a solução encontrada para o problema da habitação dos sem-teto, no filme "Esquecidos na Noite". Violência e Paz; como alcançar a paz e combater a violência? O filme "Direito à Vida" tem a resposta. A polêmica em torno da verdade e dos valores da vida são analisados sugerindo um projeto humano diferenciado no qual um novo homem, esculpido na razão e na ética, promove um futuro pleno e integral, no filme "Encontro com a Verdade". A espiritualidade, na perspectiva humana e sobrenatural, como meio de reflexão sobre o homem e o mundo e, estágio supremo da condição humana, no filme "A Outra Dimensão". A procura e a descoberta de um sentido para a vida, numa visão extremamente rápida, porém, profunda e determinada, no filme "Razão de Ser". Mostra-se, na tela, como poderia ser modificado o senso comum que move pessoas e vida.

 

PARA ASSISTIR AO TRAILER DE ALGUNS FILMES, CLIQUE AQUI.

 

Caso esteja interessado(a) em adquirir algum de nossos filmes, por favor, envie-nos um e-mail especificando o(s) título(s) pretendido(s).

E-mail: abertura@osite.com.br

 

Filme "Projeto Abertura"

Filme " Manlio Moretto"

Filme " J.L. Messina"

Filme "A Tríada da Cognição"

Filme "A Ponta do Iceberg"

Filme "Esquecidos na Noite"

Filme "A Outra Dimensão"


Artistas do Realismo Contemporâneo (cor)
Ano: 1990
Duração: 21 minutos
Direção, produção e realização: Fernando Figueirinhas
Apresentador: Fernando Figueirinhas
Câmera: Luís Coelho
Assistente de edição: Luís Coelho
Participantes: Manoel Navarro, Salvador Rodrigues Jr., Joseph Trabulssi, José Lino Zechetto, Geraldo Carnelosso, Manlio Moretto, Eduardo Ostergren e Emídio Carvalho
Sinopse: Neste documentário, o apresentador é o próprio diretor. Visita o ateliê de nomes, como: Manoel Navarro, Salvador Rodrigues Jr., Joseph Trabulssi, Gilberto Carnelosso, Emídio Carvalho, entre outros, perguntando-lhes o que é "arte" para eles, fazendo um breve histórico de cada um.

Arte Realista Contemporânea (cor)
AnAno: 1991
Duração: 16 minutos
Direção, produção e realização: Fernando Figueirinhas
Apresentadora: Cristina Ferrantini
Comentadores: Eduardo Ostergren, Arthur Castro Rodrigues e Marilyn Diggs.
Câmera: Luís Coelho
Assistente de edição: Luís Coelho
Sinopse: Documentário essencialmente didático, em que o mestre Eduardo Ostergren faz um breve apanhado da História da Arte, bem como os valores atribuíveis a uma obra de arte. Mostra-se ainda, as obras de grandes artistas brasileiros do passado. Em seguida, a crítica americana Marilyn Diggs elogia a qualidade da arte no Brasil.

Paisagens Brasileiras (cor)
Ano: 1991.
Duração: 16 minutos.
Direção, produção e realização: Fernando Figueirinhas.
Argumento: Fernando Figueirinhas
Câmera: Luís Coelho
Roteiro e edição: Fernando Figueirinhas.
Assistente de edição: Luís Coelho.
Comentadores: Peter Cohn, Manlio Moretto, André Boccato, Mariela Kantor, José Claudino da Nóbrega e Antônio Carlos Abdalla.
Sinopse: Esta é a primeira versão do documentário "Manlio Moretto", percorrendo-se o Brasil através das obras do artista Moretto, intercaladas por entrevistas com um veterano antiquário, uma crítica de arte, um curador, um editor de arte e um marchand.

Em Tempo (cor)
Ano: 1992
Duração: 19 minutos.
Direção, produção e realização: Fernando Figueirinhas.
Apresentadora: Marlene Pereira.
Câmera: Luís Coelho.
Assistente de edição: Luís Coelho.
Comentadores: Esteban Jaulent Di Pauli, Fernando Furquim, Armando Pinto Miranda, Arthur Castro Rodrigues e Sara Mahler.
Sinopse: Constata-se e explica-se o porquê da crise em que vivemos. Os comentadores deste filme, em franca afinidade com o diretor, procuram mostrar a mentalidade que leva as pessoas a viverem o caos e sutilmente já se pode adivinhar que em outra oportunidade vão dizer o que pensam e como mudar o que está aí.

Renovação (cor)
Ano: 1992
Duração: 19 minutos
Direção, produção e realização: Fernando Figueirinhas
Apresentadora: Lillian Ghisalberti
Voz off: Patrícia D'Amaro
Câmera: Luís Coelho
Assistente de edição: Luís Coelho
Comentadores: Fernando Furquim, Armando Pinto Miranda, Ruth Kalil, Mário Galvão, Myriam da Costa Hoss Rabaçal.
Sinopse: "Renovação" é a seqüência de "Em Tempo" com mais alguns participantes que analisam situações e propõem soluções, segundo o seu ponto de vista, para a crise que atormenta a nossa sociedade. Podem-se ver depoimentos de Myriam da Costa Hoss Rabaçal, Armando Pinto Miranda, Esteban Jaulent Di Pauli e Mário da Costa Galvão, entre outros.


Gente Sem Nome (cor)

Ano: 1992
Duração: 14 minutos
Direção, produção e realização: Fernando Figueirinhas
Argumento e Texto: Fernando Figueirinhas
Apresentadora: Suzana Dias
Câmera: Carlos Santos
Assistente de Produção: Ramon Estrada
Consultor Jurídico: Rogério Martins
Personagem: José Vieira
Comentador: Júlio Renato Lancelotti
Músicas: Chico Buarque, Milton Nascimento
Sinopse: Gente sem nome é um dos primeiros curtas-metragem do diretor, onde pela primeira vez se faz sentir a sua afinidade com os grandes temas sociais. O enredo é a própria vida dos habitantes marginalizados de uma cidade na qual predominam enormes desníveis sociais. Talvez o aspecto mais interessante desta produção seja o acaso! - sair de casa, sem nada esperar, e de repente tudo acontece...

Ary Queiroz Barros (cor)
Ano: 1994
Duração: 12 minutos
Direção, produção e realização: Fernando Figueirinhas
Argumento e texto: Fernando Figueirinhas
Câmera: Sônia Pereira
Roteiro e edição: Fernando Figueirinhas
Assistente de edição: Osny de Almeida
Voz off: Joemir Martins
Personagem: Ary Queiroz Barros
Comentadores: Edison Di Bernardi, Hélio Viotti, Eduardo Ostergren
Sinopse: O principal motivo que levou o diretor a esta realização transcendeu muito as qualidades pictóricas das obras de Ary Barros. A discrepância existente entre a vida profissional e a artística de Barros, escapando a todos os arquétipos do artista tradicional, tornou-se particularmente interessante do ponto de vista documental. Dualismo este, com o qual se debateu a vida inteira, vindo anos mais tarde a culminar com o abandono de sua brilhante e lucrativa carreira de arquiteto.


Aliberto Barone (cor)
Ano: 1994
Duração: 12 minutos
Direção, produção e realização: Fernando Figueirinhas
Argumento e texto: Fernando Figueirinhas
Câmera: Sônia Pereira
Roteiro e edição: Fernando Figueirinhas
Assistente de edição: Osny de Almeida
Voz off: Joemir Martins
Comentadores: Roberto Rogiero e Arnaldo Barbieri
Sinopse: Apesar de daltônico, Aliberto Barone é um dos maiores nomes da arte realista brasileira. Suas obras são extremamente belas e tristes ao mesmo tempo. O sofrimento humano, em todos os seus aspectos é o tema central de sua obra.

J.L. Messina (cor)
Ano: 1994
Duração: 12 minutos
Direção, produção e realização: Fernando Figueirinhas
Argumento e texto: Fernando Figueirinhas
Câmera: Sônia Pereira
Roteiro e edição: Fernando Figueirinhas
Assistente de edição: Osny de Almeida
Voz off: Joemir Martins
Personagem: J.L. Messina
Comentadores: Roberto Rogiero e Antônio Eugênio Pascotto
Sinopse:A beleza e a qualidade pictórica das obras de Messina, tanto na abstração quanto no realismo, já justificam o documentário. Todavia, o que mais chamou a atenção em Messina, foi a inesperada beleza encontrada nas favelas. Através de transposição de imagens, mesclam-se as favelas pintadas por Messina às favelas do mundo real.

Manlio Moretto (cor)
Ano: 1995
Duração: 20 minutos
Direção, produção e realização: Fernando Figueirinhas
Argumento e texto: Fernando Figueirinhas
Câmera: Gallo Neto
Roteiro e edição: Fernando Figueirinhas
Assistente de edição: René Menconi
Voz off: Cláudio Mendes
Personagem: Manlio Moretto
Comentadores: Eduardo Ostergren e Doron Grull
Músicas: Enya e Roma Ryan, Mozart, Canto Gregoriano
co-produção: TV Independente
Sinopse: À medida que o filme vai evoluindo, cada vez mais se vai afastando da tônica biográfica que se espera de um documentário deste tipo. Tal o realismo das paisagens do artista, que foi possível ao cinegrafista "viajar" pelas ruas e campos do Brasil perdido no tempo. Porém, apesar da grande maioria dos lugares serem conhecidos, o espectador acaba por se envolver sentimentalmente com o romantismo impregnado nas telas por Manlio Moretto, quando o artista transmite não exatamente aquilo que é, mas aquilo que vê.

Projeto Abertura (cor)
Ano: 1995
Duração: 12 minutos
Direção, produção e realização: Fernando Figueirinhas
Argumento e texto: Fernando Figueirinhas
Câmera: Gallo Neto
Roteiro e Edição: Fernando Figueirinhas
Assistente de edição: Osny de Almeida
Voz off: Cláudio Mendes
Intérpretes: Marcelo Marcílio e Fernando Figueirinhas
Músicas: Beethoven e Mozart
Sinopse: Enquanto o chão de ruas e calçadas é pisoteado por milhares de pés, vê-se o rosto sofrido e preocupado dos transeuntes em busca de sustento para suas famílias. Contrastando com a tensão da luta pela vida, surge a harmonia oferecida pela natureza exuberante de um parque público da cidade, onde as árvores sugerem homens, as copas, os sonhos, e os ramos, relacionamentos construtivos. Cenas de rua são transpostas para a paisagem espontaneamente tranqüila do parque. Obras de arte narram episódios de uma vida comum. O filme termina com a filosofia do projeto - um movimento em favor de uma sociedade mais justa, ilustrada pela sobreposição de pessoas da movimentada rua da grande cidade para a paz do parque.


A Ponta do Iceberg (cor)
Ano: 1995
Duração: 17 minutos
Direção, produção e realização: Fernando Figueirinhas
Argumento e texto: Fernando Figueirinhas
Câmera: Gallo Neto
Roteiro e edição: Fernando Figueirinhas
Assistente de edição: Osny de Almeida
Voz off: Joemir Martins
Comentadores: Eduardo Ostergren e Clotilde Lunardelli
Músicas: Bach, Beethoven, Chopin e Mozart
Sinopse: As cenas deste documentário encontram-se no interior das telas de grandes pintores, que retrataram a realidade social do Brasil de então e que permanecem imutáveis ao longo do tempo. A seqüência previamente ordenada das telas sugere uma história que se confunde com a da própria vida das pessoas. No final do filme, as telas são sobrepostas a cenas reais encontradas nas ruas da grande cidade.

Clip Abertura (cor)
Ano: 1995
Duração: 5 minutos
Direção e produção: Fernando Figueirinhas
Texto: Fernando Figueirinhas
Câmera: Gallo Neto
Roteiro e edição: Fernando Figueirinhas
Assistente de edição: Gallo Neto
Voz off: Joemir Martins
Sinopse: Versão reduzida do filme homônimo. Diferentemente do filme que lhe deu origem, nota-se a ausência de depoimentos que foram substituídos por um curto texto. Filme este cheio de força onde muitas cenas foram gravadas em preto e branco. No final, surgem apoteoticamente imagens ecológicas e palavras-proposta.

A Tríada da Cognição (cor)
Ano: 1996
Duração: 12 minutos
Direção, produção e realização: Fernando Figueirinhas
Argumento e texto: Fernando Figueirinhas
Câmera: René Menconi
Roteiro e edição: Fernando Figueirinhas
Assistente de edição: Osny de Almeida
Voz off: Joemir Martins
Protagonista: Gabriel Perissé
Declamador: Fernando Muralha
Comentadores: Augusto Silberstein e Alexandre Flory
Músicas: Haendel, Regaudon, Schubert
Figurantes: Roberto Junqueira, Cid Knipel, Cristina Leme e Rogério Tartarini
Agradecimentos: Biblioteca Mário de Andrade e Livraria Ornabi
Sinopse: Este documentário focaliza o ato de pensar. O texto do filme é muito rico em conceitos filosóficos e apresenta uma orientação quase que pedagógica ao indicar aos jovens a leitura de alguns livros, que poderão construir uma sólida estrutura mental e cultural, possibilitando-lhes um futuro melhor e mais feliz.

Esquecidos na Noite (Preto e branco)
Ano: 2003
Duração: 20 minutos
Direção, produção e realização: Fernando Figueirinhas
Argumento e texto: Fernando Figueirinhas
Câmera: Lúcia de Fátima
Roteiro e edição: Fernando Figueirinhas
Voz off: Cláudio Mendes
Apresentadora: Elza Fernandes
Protagonistas: Enoque Rocha e Vitor Bertoli
Músicas: Chopin. Panis Angelicus (Cezar Frank)
Comentadores: Salma Santos, Manoel dos Santos, Antônio, Ana Maria e Sônia Soares.
Figurantes: Ana Soares, Marcos Soares, Giane Pereira, Josué Rocha, Daniel Rocha, Marcílio Santos, Eduardo Francisco, Elza Brito, Maria Rocha, Rosi Rocha, Elizabeth Tognetti, Conceição Santos, Sônia Tognetti e Vera Lúcia.
Agradecimentos: Daniel Bolon e José Bittencourt.
Sinopse: As longas noites de inverno das ruas de uma das maiores cidades do mundo servem de cenário a um "elenco" de famintos e abandonados que a habitam. Esquecidos pelas entidades governamentais e pela sociedade em geral, encontram ajuda numa ínfima parcela da população, atenta e solidária. No decorrer do filme, verifica-se que este auxílio é de pessoas de baixa renda ou mesmo pobres. Produzido em preto e branco, reproduz-se com total realismo a sobrevivência destes seres esquecidos.


A outra dimensão (cor)
Ano: 2003
Duração: 33 minutos
Direção, produção e realização: Fernando Figueirinhas
Argumento e texto: Fernando Figueirinhas
Câmeras: Gallo Neto e Renê Menconi
Roteiro e edição: Fernando Figueirinhas
Assistente de edição: Alex Gallo
Voz off: Cláudio Mendes
Comentadores: D. Paulo Evaristo Arns, D. Glauco Soares de Lima, Pr. Hermann Wille e Rabino Henry Sobel
Músicas: Tchaikóvski, Haendel, Schubert (Ave Maria), Canto Gregoriano (in princípio), Canon e Ária da Corda Sol.
Agradecimentos: Daniel Bolon, José Bittencourt, Cláudia Prochaine, Tsong Khapa e Igreja Imaculada Conceição
Sinopse: O Homem, enquanto fruto e vítima da sociedade em que vive, cedo ou tarde procura nela respostas para as suas perplexidades. Quando a vida lhe é adversa, ou surgem problemas sem solução, ou ainda, não obtém respostas que justifiquem a sua existência ou fim, projeta-se para outro mundo, diferente deste, onde encontra sentido para tudo aquilo que o aflige, satisfazendo plenamente suas necessidades e indagações, ou simplesmente, lugar esse onde não existem mais necessidades a satisfazer ou perguntas a responder... Configura-se então a dimensão do sobrenatural! Na seqüência do filme, levanta-se a hipótese desta possibilidade e descobre-se uma nova face do mundo, quando o natural e o sobrenatural se sobrepõem.

Evasão e Sonho (cor)
Ano: 2004
Duração: 8 minutos
Direção, produção e realização: Fernando Figueirinhas
Argumento e texto: Fernando Figueirinhas
Câmera: Gallo Neto
Roteiro e edição: Fernando Figueirinhas
Assistente de edição: Gallo Neto
Voz off: Cláudio Mendes
Adaptação do livro "A Iluminura em Portugal", 1990, Mário Figueirinhas, editor.
Músicas: Carlo Gesualdo, William Christie, Freddie Mercury e Montserrat Caballé
Co-produção: TV Independente, Broadcasting Productions
Pós-produção: Gallo Neto
Agradecimentos: Casa de Portugal de Campinas, José Luís do Nascimento Santos, Maria José Castro Marcos, Clarice Simões Ferreira e Raquel Mattos.
Sinopse: Sonho e realidade são aspectos indissociáveis da vida. O peso de um e outro, vai depender unicamente de variações individuais e do contexto histórico em que se situam. Enquanto que na contemporaneidade o homem se preocupa mais com as condições da vida, os antigos medievais menosprezavam as dificuldades cotidianas, evadindo-se para o sonho. Uns e outros, pelos mesmos motivos, procuravam coisas diferentes- ora o sonho, ora a realidade. Os manuscritos iluminados que aparecem na Idade Média, cumpriam essa função. Hoje ficamos pasmos e atraídos com esses sonhos distantes vividos, algures no passado e que ainda são nossos sonhos.


Egas Francisco (cor)
Ano: 2008
Duração: 21 minutos
Direção, produção e realização: Fernando Figueirinhas
Argumento e texto: Fernando Figueirinhas
Câmera: Gallo Neto
Roteiro e edição: Fernando Figueirinhas
Assistente de edição: Gallo Neto
Voz off: Cláudio Mendes
Co-produção: TV Independente, Broadcasting Productions
Pós-produção: Gallo Neto
Sinopse: O documentário começa com uma tela em branco de grandes dimensões. À medida que vão surgindo cores e formas, pela mão do artista Egas Francisco, o narrador disserta sobre a arte, referenciando os critérios de valor na pintura ao longo do tempo. Segue-se o discurso do artista sobre o que é arte, segundo sua própria concepção, bem como, o sentido, objetivo e aquilo que almeja alcançar com sua arte. Mostram-se ainda, algumas pinturas do artista que transforma um pavimento cultural em capela profana, em Stuttgart, na Alemanha. Enquanto isso, o narrador destaca o "esgotamento" verificado na arte pictórica e propõe uma saída, sempre nova e inesgotável, conseguida por Egas Francisco. O filósofo Régis de Morais destaca a importância da obra de Egas Francisco, como inovador de uma nova possibilidade de evolução na pintura.

 



FOTOTECA



Filme J.L. Messina



Filme A Ponta do Iceberg


Filme A Outra Dimensão



Filme Esquecidos na Noite


Filme A Outra Dimensão



Filme Projeto Abertura


Filme Esquecidos na Noite



Filme Projeto Abertura


Filme Projeto Abertura



Filme Projeto Abertura


Filme Projeto Abertura



Filme Projeto Abertura
© Copyright
Projeto Cultural Abertura
All rights reserved