PROJETO CULTURAL ABERTURA

  EM PROL DA ÉTICA PARA UM MUNDO MELHOR
BEM-VINDO(A) E OBRIGADO PELA VISITA !
 
 
 
 
VIDA - UM LAPSO DE TEMPO !
 

A existência material pressupõe começo e fim, portanto, quando se nasce já se está condenado à morte; é só uma questão de tempo. Caminhamos para o fim, e a cada segundo decorrido é menos um para o implacável fim. Que absurdo este, aparentemente desprovido de sentido, que nos faz viver condenados a um fim! Mas porque lhe falta um sentido. Se um lapso de tempo existe, para a vida, é porque esta tem um sentido. Se lhe tirarmos este sentido, então a vida perde a sua razão. Então é preciso que a vida tenha um sentido. Este sentido – que nem todos conseguem ver – enquanto ideal, se opõe à condição de matéria, porquanto substrato, no sentido de justificação da própria existência física, que se vai realizando ou que se realizará no futuro enquanto existirmos. Assim, este percurso da existência “justificada” , há de se configurar em algo que supere as limitações que a materialidade confere, transcendendo-as.

De que serve a este fim o acúmulo de riquezas materiais – sejam elas quantas e quais forem -, o sucesso profissional, social, a fama, as conquistas pessoais, o bem-estar material, ser-se compreendido e admirado pelos demais? Para quê as rixas, desacatos, ânimos perniciosamente exaltados, subtilezas de duplo sentido, sentimentos mesquinhos, desavenças, vinganças e argumentações pueris? Tão curto é este lapso de tempo que, apesar disso, parece-nos enganosamente não ter fim! Tão pequenos e insignificantes somos que nem percebemos isso! Parece-nos sim, tudo isto, um ledo engano que a nada nos leva; quando muito a nós mesmos, mostrando a nossa própria pobreza de espírito e o equívoco em que vivemos... Mas já é tarde, porque a vida já passou e a morte nos espera. E depois, o arrependimento, e finalmente, o silêncio. O silêncio para sempre! Mas pode ser diferente, quando previamente nos damos conta do sentido que a vida pode ter, quando temos a consciência desta visão que se escapa à temporalidade do vigente, quando, com sinceridade, vemos em perspectiva que vivemos de acordo com aquilo em que acreditamos ou que pelo menos tentamos; que desponta a saudade que em outros deixamos e nos imortaliza porque nos superamos; para outro nível, onde o espaço, o tempo e a nossa condição humana deixam de existir.

Fernando Figueirinhas.


 
 
 
 
© Copyright
Projeto Cultural Abertura
All rights reserved